quarta-feira, 23 de junho de 2010

Estágio Remunerado

A Veterinária Bom Pastor situada à Rua Eudino Egger nº 567 Jardim Catarina São Gonçalo RJ, fará seleção de 4 estagiários(as) de acordo com as cláusulas e condições seguintes:




1ª O estudante deverá ter concluído o 6º período.



2ª O candidato se submeterá a uma prova de avaliação escrita de caráter eliminatório na qual deverá obter no mínimo 60% de aproveitamento nas duas modalidades de questões da prova e uma entrevista.



3ª A prova constará de 20 questões de assuntos gerais e matérias constantes da grade curricular do 6º período, sendo 15 de múltipla escolha e 5 dissertativas.



4ª Em caso de empate nas notas entre os candidatos, o desempate será decidido na entrevista, levando-se em conta:



1º idade

2º proximidade do estágio

3º proatividade

4º comunicabilidade

5º rapidez no processamento de informações.



5 ª O aprovado assinará um contrato válido entre 01/08/2010 a 30/01/2011



6ª O contratado receberá uma bolsa mensal de meio salário mínimo.



7º Os horários serão: 2ª, 4ª e 6ª ou 3ª, 5ª e sábado 07h30min às 12h e 14h às 18h.



8ª As inscrições serão nos dias 14, 15 e 16 de julho de 2010 na secretaria da clínica em horário comercial.



9ª O candidato deverá apresentar o plano de curso do 6º período, documento de identificação com foto, uma foto 3x4 recente colorida.



10ª O dia da prova será domingo 18 de julho de 2010 em local indicado no ato da inscrição.



11ª A relação dos classificados no exame será publicada no mesmo endereço no dia 21 de julho de 2010.



12ª A chamada para a entrevista dos classificados, será feita via email entre os dias 22 e 28 de julho de 2010 em dia e horários a serem definidos pela secretaria da clínica.



13ª Os aprovados na entrevista assinarão o contrato no dia 30 de julho de 2010 e iniciarão suas atividades a partir do dia 2 de agosto de 2010.

Se você tiver dificuldade em chegar à clínica, acesse o site pedrovet.com.br e veja como chegar pelo mapa

quinta-feira, 15 de abril de 2010

Otite

OTITE






Otite é a inflamação do ouvido que pode ser classificada quanto à sua localização em externa, média e interna, sendo que as duas últimas, normalmente de evolução crônica, são decorrentes de otites externas não tratadas ou medicadas sem sucesso.

Dentre as otopatias que mais acometem cães e gatos, destacam-se as otites externas, podendo estar presentes em cerca de 10 a 20% dos cães levados às clinicas veterinárias. Podem ser classificadas segundo sua etiologia em: bacterianas, parasitárias, micóticas, ceruminosas e eczematosas. As causas de otite externa são muitas e na maioria dos casos crônicos, mais de uma está presente. Estas causas podem ser subdivididas em fatores predisponentes, primários e secundários.

Os fatores predisponentes são aqueles que embora não causem otite externa, aumentam o risco de seu desenvolvimento, atuando conjuntamente com a causa primária para a manifestação da doença clínica. Os exemplos mais comuns desses fatores compreendem características raciais como o excesso de pêlos nos ouvidos externos em Poodle e orelhas de Cocker Spaniel. Nessas raças são mais visíveis: umidade, ventilação inadequada dos condutos e efeitos de tratamentos anteriores, já que a conformação anatômica dos ouvidos dos cães varia de acordo com a raça.

Os fatores primários podem causar a otite externa, com ou sem a presença de fatores predisponentes ou secundários. São eles os parasitas (sarnas), as hipersensibilidades (alergia atópica), distúrbios de queratinização (seborréia), corpos estranhos (folhas, sementes, sujeira, areia e medicação seca), alterações glandulares, auto-imunes e doenças virais.

Os fatores secundários são aqueles que dificultam a resolução das otites. Normalmente são consequentes aos fatores predisponentes e primários. Compreendem as bactérias, leveduras, alterações patológicas progressivas (hiperqueratose, fibrose, edema, hiperplasia da epiderme e estreitamento do conduto auditivo).

Os principais sinais clínicos observados em animais com quadro de otite são caracterizados pelo prurido (coceira) das orelhas, eritema (vermelhidão), inclinação e balanço da cabeça, edema (inchaço), descamação, alopécia (ausência de pêlos), ulceração, dor à palpação e presença de secreção, muitas vezes associados ao odor desagradável. Todos esses sintomas quando detectados precocemente pelo responsável do animal e tratados pelo médico veterinário, aumentam as chances de cura do problema sem grande comprometimento futuro.

Uma anamnese completa associada ao exame físico e clínico sistêmico e dermatológico do animal pelo profissional fornece importantes dados sobre a causa da otite determinando um correto diagnóstico e direcionando a conduta terapêutica mais adequada. A inspeção direta das afecções dos ouvidos pode ser realizada por meio de otoscopia (exame através do uso do otoscópio), avaliação parasitológica do cerúmen e exame citológico.

A prevenção das otites deve ser feita através da limpeza periódica do canal auditivo externo e das próprias orelhas dos animais. O proprietário deve evitar a entrada de água nos ouvidos na hora do banho, evitar o uso indevido de cotonete, usar produtos adequados para limpeza, adotar medidas preventivas ao levar seu animal para banhos de mar ou piscina. Estas medidas podem auxiliar a evitar o aumento das ocorrências de otites em seus animais.

A terapia eficiente para o tratamento das otites está na dependência da identificação e controle das causas primárias e predisponentes. A colaboração do responsável do animal é extremamente importante no tratamento. Para que isso ocorra é fundamental que o mesmo seja conscientizado a respeito do problema e da sequência do tratamento, especialmente se forem necessárias diversas limpezas com o animal podendo inclusive ter que ser sedado ou até mesmo anestesiado. Condutos auditivos cheios de cerúmen ou secreção purulenta impedem que medicamentos tópicos atinjam a superfície da pele e combatam as bactérias, fungos ou parasitas.

Existem várias técnicas e produtos que podem ser utilizados para realização da limpeza dos condutos auditivos, devendo ser adaptados para cada caso. Não há um único agente ou tratamento que seja perfeito, cabendo ao médico veterinário prescrever o tratamento para cada tipo de animal e patologia. À medida que o tratamento transcorra, adaptações terapêuticas podem ser feitas em função de resultados satisfatórios ou não.

Em casos extremos pode haver a necessidade de intervenção cirúrgica, com excelentes resultados principalmente nas miíases recorrentes. Normalmente ocorre quando há severa estenose (estreitamento) do canal auditivo decorrente de otite crônica, remoção de tumores ou pólipos ou quando o animal possui uma otite média resistente à medicação. Para obtenção de melhores resultados é imprescindível que o diagnóstico primário seja estabelecido antes da cirurgia, pois muitos animais submetidos a este procedimento ainda podem continuar sofrendo de otite.

Como recomendação final aos responsáveis, diria que não há necessidade de preocupações antecipadas, pois o animal possui um mecanismo de defesa próprio que o protege não só das patologias auriculares como de outras afecções, mesmo assim, considero necessário que o mesmo seja levado com periodicidade ao médico veterinário.

quarta-feira, 7 de abril de 2010

Governos andam na contramão da história

Aquecimento global, fenômeno El Niño, seca na Amazônia, 45 dias de enxurradas em São Paulo, chuvas torrenciais durante todo o verão, secas nos reservatórios da Venezuela, levando um país rico em petróleo a racionar energia, onda de calor em toda a região sudeste, sensação térmica de 50 graus no Rio de Janeiro, degelo das montanhas do Himalaia, falta de gelo nas estações de esqui na Suíça, ciclone no Brasil: fenômenos que acontecem porque a espécie humana insiste em destruir a natureza, que a tolera por um capricho.

O último encontro das autoridades mundiais para o clima em Copenhague não deu em nada. Os ditos líderes mundiais frustraram praticamente todos os líderes dos países pobres e emergentes, que sãos os que mais sofrem com o aquecimento global. A indústria automobilística continua produzindo carros em grande escala, a indústria do petróleo se revigorou nos últimos anos principalmente no Brasil com a descoberta do pré sal. Toda a Amazônia continua sendo desmatada para satisfazer a cobiça dos madeireiros e das multinacionais. Os investimentos em projetos de desenvolvimentos não levam em conta a educação ambiental. Não se exige das empresas contrapartidas ambientais nos projetos onde o meio ambiente é afetado. Não há estímulos para os transportes sobre duas rodas, nem por parte do governo, nem das empresas.

Quanto ao poder público este deveria priorizar a construção de ciclovias nas cidades; além de desestimular o uso do carro, diminuiria a emissão de carbono na atmosfera. Outra vantagem seria a melhoria das condições de saúde, principalmente cardíaca, dos praticantes dessa modalidade de transporte. Há um evidente preconceito com as bicicletas, principalmente porque este tipo de transporte está associado aos pobres e miseráveis; ter uma bicicleta não dá status; este está ligado aos carrões e os carrões estão associados à prosperidade econômica.

Certa vez, levei meu carro para uma manutenção que durou uns três dias. Durante este período, servi-me de minha bicicleta para transitar pelo meu bairro onde tenho minha clínica. Por diversos momentos fui abordado por várias pessoas com a seguinte expressão:

─ De bicicleta Doutor Pedro!

Olha que não foram poucas. Há um consenso entre as pessoas do povão que um doutor não pode andar de bicicleta. Na mente do povão está impregnada a idéia do doutor ter um carrão, jamais andar de bicicleta. Claro que a mídia contribui muito para esta concepção, pois vende carros com belas mulheres, belas casas e os associa à prosperidade econômica. Por sua vez os carros pagam mais impostos, empregam mais trabalhadores, consomem insanamente combustíveis, ou seja, sustenta uma gigantesca indústria petrolífera, dá mais lucro aos governos nos seus diversos níveis.

Como mudaremos essa mentalidade? Como mudar esta lógica perversa do capital em que o lucro está acima do bem estar da raça humana? Como mudar a mentalidade dos governos no sentido de refletir sobre o futuro das próximas gerações? Hoje possuímos uma gigantesca rede de comunicação que nos permite levar educação e informações com uma rapidez jamais vista pelos seres humanos. As ferramentas existem, é só utilizá-las. Mas, a mais importante das transformações é a plena consciência de cada um de nós. Cada cidadão, cada grupo social, cada cidade, cada estado, todas as nações. É a espécie humana em busca da sua sobrevivência, é a busca da verdadeira eternidade.

Vítimas das chuvas

                                           


As chuvas dos últimos meses, têm deixado muitos prefeitos de cabelo e pé, pois além de desabrigar muitas famílias, obrigando o poder público a providenciar moradia para a população atingida, causa uma verdadeira destruição nos calçamentos da cidade e estradas vicinais, onde se formam verdadeiras crateras. Num município pobre como o nosso com uma infra-extrutura muito precária, onde a maioria das ruas não são asfaltadas, e as que são possui um asfalto de má qualidade, isso representa uma perda de recurso de enormes proporções. A cidade está um buraco só. Sem contar as regiões, de baixada onde se fomam verdadeiros lagos expondo a populaçõa a toda sorte de doenças. A dengue transmitida pelo aedes egypthus e a leptospirose transmitida pela urina do rato urbarno “Rattus norvegicus” que representam o maior risco para a populaçao nesta época do ano, precisam ser eficientemente monitoradas. Outro aspecto que deve ser levado em consideração, é o orçamento municipal. O poder público tem que ter conpetência para conseguir junto aos órgão federais, como os ministérios da cidade e outras agência de assistência social, verbas suplementares para fazer face as grandes e imprevistas despesas surgida nesta época do ano. Quanto ao orçamento, votado ao final de cada legislatura, há que se reforçar a verba de contingência no sentido de atender as emergências imprevistas sem as dificuldades impostas pelas licitações.

Cabe ao poder público o planejamento das diversas situações por que pode passar a cidade para não ser pego de surpresa. Os orgão de defesa civil, assim como a polícia militar, secrearia de promoção social, devem estar dotadas de material e pessoal capacitado a fim de atender prontamente as vítimas das intempéries quase na sua totalidade pessoas pobres.

Ps:
Este artigo foi escrito no ano 2007

segunda-feira, 29 de março de 2010

Terceira idade dos cães

 Nossa população canina envelheceu. Até a década de 80 a média de vida da população canina era de aproximadamente 7 a 9 anos de idade. Na década de 90 passou de 9 a 12 anos. Nesta década, nos deparamos com animais na faixa de 16 a 18 anos. Os elementos responsáveis por essa longevidade são: boa alimentação, mais conforto e carinho, prevenção das principais doenças infecto contagiosas, melhora do atendimento médico veterinário.


Tendo a medicina veterinária evoluído muito nas últimas três décadas, novos serviços de alta tecnologia estão sendo colocados à disposição dos nossos melhores amigos. Exames laboratoriais de alta complexidade, ultrassonografias de alta resolução em três dimensões, ecodoppler cardíaco na avaliação das doenças do coração, acupuntura, fisioterapia, limpeza dentária por ultra-som, tomografia computadorizada e RX digital são hoje serviços ao alcance de praticamente toda a população canina e felina. Juntamente com os serviços veterinários, cresceu também a utilização dos serviços de higiene e tosa pelos animais, contribuindo assim para uma observação permanente por parte dos profissionais da área, que acabam dando o feedback aos proprietários da necessidade de se levar o animal ao veterinário. Complementando essa gama de serviços, os profissionais também se especializaram. Hoje é uma realidade encontrarmos nas clínicas, colegas que só atuam como dermatologistas, ortopedistas, cirurgiões, endocrinologistas, nefrologistas, anestesistas, e por aí vai.

Quanto mais evoluir a medicina veterinária, mais especialidades surgirão, não se esquecendo de que, independentemente da especialidade, guardadas as devidas proporções, todo veterinário especialista continuará sendo um clínico geral. Sua experiência como generalista é que vai determinar sua atuação dentro da especialidade escolhida.

O envelhecimento dos cães caminhou lado a lado ao da população. É comum assistirmos idosos caminhando com seus cãezinhos pelas calçadas das grandes cidades. Quais os problemas enfrentados pelos animais na terceira idade? Que patologias aparecem com mais frequência nessa fase da vida? Nossa experiência aponta para as artroses nas articulações, principalmente as do quadril, afetando os dois sexos, embora haja um discreto predomínio nas fêmeas, provavelmente devido aos hormônios. Também são comuns os problemas de coluna, espondilites anquilosantes, degeneração do disco intervertebral. Hérnias de disco são as mais incapacitantes, principalmente as crônicas. Nas fêmeas, os tumores mamários seguidos de inflamações do útero estão em primeiro lugar entre as patologias na terceira idade, mormente se não forem castradas. Aconselhamos a castração a partir dos seis meses em qualquer raça nos casos em que os proprietários não forem adeptos da reprodução.

Os problemas visuais também estão bastantes presentes, principalmente nas raças pequenas; os poodles são os mais acometidos, seguidos dos yorks e teckel. Catarata, ceratoconjuntivite seca de caráter auto-imune, glaucoma, são as patologias mais comuns. Não se esquecer de que uma boa limpeza dos olhos com a retirada do excesso de pelos em volta, contribui para uma boa visão. Os problemas hormonais podem estar presentes na terceira idade, principalmente o hipotireoidismo. As alergias, atopias, dermatoses senis também podem ocorrer. Cuidados com os dentes não podem ser negligenciados; pelo menos a cada seis meses todo animal deve ser levado ao veterinário para avaliação dos dentes. A odontolitíase (tártaro) é a mais freqüente, seguida da periodontite e retração gengival. Vários fatores são importantes para a vida saudável dos animais: uma boa alimentação, idas ao veterinário regularmente, evitar o sedentarismo, exercícios pela manhã e à tarde, preferencialmente caminhadas.

quarta-feira, 10 de março de 2010

Transexuais conquistam seus direitos

Em cerimônia no Ministério da Saúde, o ministro Temporão, autorizou a realização de cirurgia de mudança de sexo nos transexuais que desejam ser somente mulher. Aos poucos, o governo Lula vem implementando diversas políticas públicas em favor das minorias discriminadas em nosso país. Estudantes pobres, índios, negros, deficientes de toda a natureza, mulheres maltratadas pelos maridos, estupradas, grávidas de fetos anencefálicos com direito a abortar, quilombolas conquistando suas terras e raízes culturais, homossexuais, transexuais, portadores de doenças atípicas, enfim, todas as minorias que nunca encontraram amparo do estado para suas necessidades e angústias. Democracia só é democracia, quando a sociedade em todos os seus matizes aceita as diferenças e oferece oportunidades a todos em igualdade de condições.

A sociedade só é madura quando sua autoridade máxima – o presidente da república - assume uma postura de respeito que cada segmento social merece, independente das suas diferenças e opções, sejam religiosas, culturais ou sexuais.

Um exemplo marcante e histórico dessa atitude por parte do nosso presidente foi no dia 5 de junho de 2008 quando ele compareceu à cerimônia da conferência do GLBTS (gays, lésbicas, bissexuais, transexuais e simpatizantes) ocorrida em Brasília em que o principal foco da discussão foi a homofobia, sendo o presidente homenageado e presenteado com um boné com o símbolo Do grupo arco íris.

Tudo isso é ótimo, encantador, mas tem uma questão que não podemos esquecer, a do planejamento familiar. Sabe-se muito bem, que o governo Lula, contrariando as recomendações da igreja determinou através do Ministério da Saúde a distribuição de pílulas anticoncepcionais do dia seguinte e preservativos nos postos de saúde. Isto é uma política de planejamento familiar de relevante alcance social, mas há um fato que não devemos nos esquecer: muitas mulheres que já possuem dois ou três filhos desejam ardentemente ligar as trompas como forma de evitar filhos, e não encontram por parte do SUS o amparo necessário para a realização da cirurgia. Sabe-se também que essas mulheres se valem das eleições para atingir tal intento junto a médicos clientelistas e inescrupulosos, que fazem esse trabalho eleitoreiro para angariar votos contrariando a lei eleitoral.

── O Brasil é mesmo um país engraçado, o governo agora autoriza fazer cirurgia para transformar homem em mulher pelo SUS, e nós mulheres que já temos uma pregada de filhos, não conseguimos ligar nossas trompas pelo SUS, por mais que imploremos, temos que apelar para os candidatos que só fazem isso em troca de votos. - expressão proferida por uma mulher indignada dentro de um ônibus lotado de passageiros.

Precisamos repensar também políticas públicas para nossas mulheres, desde a morosidade no atendimento dos exames preventivos de câncer de colo de útero, até a impossibilidade de o SUS autorizar a realização da cirurgia de ligadura de trompas nos hospitais públicos e conveniados.

Dia internacional da mulher

Em 1857, precisamente no dia 8 de março, as trabalhadoras das fabricas de tecidos na cidade de Nova York, E.U.A fizeram uma greve geral reivindicando aumento de salário e melhores condições de trabalho. Houve excesso por parte das trabalhadoras, e uma reação violenta por parte dos patrões com o apoio da polícia. As fabricas foram fechadas e incendiadas com muitas mulheres dentro. Neste embate, 129 trabalhadora, morreram. Este fato levou a ONU a instituir o 8 de março como o dia internacional da mulher. Toda mulher têm direito a maternidade, ao trabalho em condições de igualdade com os homens, a livre escolha de seus parceiros, a dispor de seu corpo de acordo com sua consciência, a votar e ser votada, e não ter mutilada seu corpo, diz a resolução. Ainda hoje, a ONU, desempenha um trabalho formidável junto à algumas tribos Africanas, que mutila suas mulheres, amputando o clitóris das meninas como se fosse um ritual primitivo sob a alegação descabida do biombo da sua cultura, mas, que é inadmissível aos olhos do mundo civilizado do século 21. No Brasil, há muito o que se fazer. Sociedade machista, nossas mulheres, ingressam no mercado de trabalho, mas continuam a dar conta da casa, dos filhos, do marido, ou seja, possui dupla jornada de trabalho. Há muita gravidez na adolescência, por falta de uma política de planejamento familiar, muito estupro, não solucionado pelos órgãos de polícia do poder público. Muito espancamento pelos maridos que não chegam as autoridades policiais. Enfim, há muito o que fazer. Mas é preciso uma tomada de consciência da própria mulher. Suas organizações, e representações, precisam estar atenta, e o mês de março é um mês de reflexões, debates e fórum de discussões, dos problemas das mulheres. Não fosse as mulheres conter o ímpeto agressivos dos homens, a terceira guerra mundial já teria sido detonada e a civilização desaparecido da face do planeta. Salve todas as mulheres que lutam pela liberdade e condições de igualdade neste mundo, que a despeito de qualquer preconceito, ainda é um mundo dominado por homens. Oxalá um dia seremos governados só por mulheres